"Copo vazio": Um poema que é um Ás de Espadas

Nesta sua canção magistral, “Copo Vazio”, Gilberto Gil nos faz refletir acerca do modo como olhamos para o que nos aflige. As respostas que damos às dores que sentimos definem o nosso destino.

A poesia contida nesta música nos faz pensar sobre tantas coisas! Quero ressaltar, aqui, os atributos do elemento Ar. Ele tem a ver com a construção dos nossos pontos de vista e com o modo como expressamos as nossas ideias.

No poema, ao sugerir que, no lugar da Água, elemento das emoções livres, ou do vinho, representativo do poder do Fogo de suplantar a dor, apenas o Ar ocupa o copo, Gil aponta pra a força transformadora das ideias. Estas trazem à tona novas oportunidades, iluminam caminhos e, se bem trabalhadas, funcionam como remédios para as nossas angústias. Inclusive, a percepção da presença do ar transforma o copo, representativo do elemento Terra, elemento que nos fala do poder da nossa ação sobre o mundo.

O mestre-poeta, Gilberto, ao fazer esta inter-relação dos elementos, demonstra que as sensações de falta e de perda o levaram a enxergar o que antes não via. Com isto, ele nos ensina a alcançarmos, por meio da nossa dor, “a magia da verdade inteira, todo verdadeiro amor”.

Nesta música, inicialmente interpretada por Chico Buarque, está a magia expressa no Arcano Ás de Espadas. Ao conseguirmos ver o que antes não víamos, alcançamos níveis superiores de transcendência, somente possíveis quando, pela via do pensamento, usamos as emoções a nosso favor e agimos sobre o mundo à volta, com determinação, coragem e liberdade.

Viva a poesia! Viva a música! Viva Gilberto Gil! Viva o Tarô!